Hoje o bolo foi rei e levou grogue

868_10208001241778400_4687716185665312229_n10178132_10208001903514943_568093823607693044_n
Este ano resolvi fazer Bolo Rei. Lembro-me de nos tempos de criança a minha mãe fazer Bolo Rei, tradição que se esfumou com o passar dos tempos. Hoje em dia muita gente compra na padaria mas não é a mesma coisa.

Resolvi então lançar-me nesta empreitada e fazer um bolo rei. Liguei à minha avó Catarina que me deu umas dicas e andei a investigar pela Net. Como este ano estive em Cabo Verde e trouxe de lá umas garrafas de grogue, resolvi usar essa bebida dos Deuses que os Cabo Verdianos idolatram.

Ingredientes:
850 gramas de farinha
30 gramas de fermento fresco de padeiro
200 gramas de margarina
100 ml de água
5 ovos
Raspa de 2 limas
Raspa de 1 laranja do Algarve150 gramas de açúcar
150 gramas de frutas cristalizadas
150 gramas de frutos secas
q.b. Mistura de frutos secos e frutas cristalizadas para decoração
100 ml de Grogue cabo-verdiano
1 colher pequena de sal

Preparação:
A preparação deste bolo leva algumas horas, pelo que comecei pela manhã e fui alternando com os afazeres domésticos. Quando acordei comecei por medir e preparar todos os ingredientes.  Numa taça juntei as frutas cristalizadas com o grogue e reservei tudo em cima da bancada.
Dissolvi então o fermento em água tépida e juntei-lhe um punhado da farinha mexendo bem. Pré-aqueci o forno a 50 gr, desliguei-o e coloquei lá dentro a mistura. A ideia é criar um ambiente ameno onde o fermento deverá repousar uns 20 minutos.

Passados dez minutos comecei a preparação batendo a margarina, o açucar e as raspas da lima e da laranja numa taça larga e aos poucos, fui adicionando quatro ovos, mexendo bem durante uns 8 minutos. Findo este processo foi tempo de retirar o fermento do forno e juntar a este preparado. A manobra demora um bocado porque é necessário que o fermento entretanto pastoso se dissolva.
Juntei então a farinha, misturei muito bem e retirei a massa da taça para cima da bancada.

Começa aqui o momento mais importante deste dia. O momento em que amassar se torna num movimento de libertação energética. Um acto performativo onde podemos treinar os movimentos da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda, mas nunca cruzando os sentidos :). Foram 15 minutos de pura energia e no final obtive a massa macia como pretendia.
Voltei a colocar a massa na taça e juntei-lhe as frutas cristalizadas com o grogue e os frutos secos. Misturei tudo muito bem e polvilhei com farinha.
Coloquei um pano por cima e enrolei nuns cobertores de forma a manter uma temperatura favorável à levedura.
Passadas três horas retirei a massa para o tabuleiro forrado com papel vegetal, moldei a rodela com o buraco no meio feito com a ajuda do cotovelo e finalizei pincelando com o último ovo e enfeitando com frutos secos e frutas cristalizadas.
Entretanto pré-aqueci o forno a 175 gr e passados 30 minutos sobre o processo anterior coloquei o bolo no forno durante 50 minutos.

Logo à noite quando o colocar na mesa irei polvilhar com açucar em pó e depois logo vos direi como ficou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.